5 passos para reduzir a contagem de células somáticas

5 passos para reduzir a contagem de células somáticas

17 de setembro, 2020

A contagem de células somáticas (CCS), um dos principais indicadores da qualidade do leite, pode ser definida como o número total de células por mililitro de leite. A CCS é composta principalmente de leucócitos (ou glóbulos brancos), que são produzidos pelo sistema imunológico da vaca para combater uma inflamação na glândula mamária, de acordo com Michael Looper, professor e chefe do Departamento de Ciência Animal da Universidade de Arkansas.

Como a CCS é um bom indicador da qualidade do leite, um escore mais baixo indica uma probabilidade reduzida de haver bactérias prejudiciais no leite. Uma regra geral é ter como objetivo uma contagem de rebanho de 200.000 células/mL ou menos. Uma contagem mais alta pode ter efeitos negativos na qualidade do leite, bem como na vida útil e no rendimento de fabricação dos produtos lácteos.

Durante a Reunião Anual do National Mastitis Council de 2020, Peter Edmondson – veterinário britânico especializado em mastite e qualidade do leite e proprietário da UdderWise Ltd. – mostrou cinco passos para reduzir a CCS.

1. Identifique suas vacas com CCS alta

Para ajudar a identificar as vacas com CCS alta, faça testes de qualidade do leite mensalmente visando monitorar as tendências do rebanho e localizar vacas infectadas.

Realizar culturas mensais no tanque, em um laboratório confiável, também é uma boa maneira de descobrir que tipos de bactérias estão causando as infecções mamárias.

2. Reduza a propagação das infecções

A fim de reduzir a CCS, é importante priorizar os procedimentos de ordenha adequados para ajudar a reduzir a propagação das infecções. Edmondson sugeriu as seguintes etapas como ponto de partida:

  • Faça um lote de vacas com CCS alta dentro do rebanho. Estes animais devem ser ordenhados por último, para ajudar a prevenir que as bactérias causadoras de mastite se espalhem para vacas saudáveis ​​e com baixa CCS.
  • Manter as luvas sempre limpas é outra tática útil para prevenir a contaminação bacteriológica. Mesmo as mãos limpas podem estar cheias de organismos disseminadores de mastite. Portanto, é imperativo usar luvas em todos os momentos durante a ordenha e substituir/esterilizar as luvas sujas conforme necessário.
  • Use uma toalha por vaca ao limpar e secar as pontas dos tetos. Se usar toalhas de pano, lave-as e seque-as em temperatura alta. Após 500 a 600 ordenhas, descarte as toalhas de pano e as substitua por novas.
  • Procedimentos adequados de pré e pós ordenha também podem manter a contagem de células somáticas sob controle. O pós-dipping reduz a taxa de novas infecções em aproximadamente 50%, porém ele não mata todas as bactérias. Portanto, a higienização adequada do equipamento é essencial.
  • Determine quando trocar os insufladores da máquina de ordenha. Um insuflador pode espalhar Staphylococcus aureus para as próximas seis a oito vacas depois de ordenhar uma vaca infectada. Resíduos de leite podem permanecer nos insufladores e as bactérias têm maior probabilidade de se espalhar quando eles estão desgastados.
  • Mantenha a equipe da fazenda bem treinada nos indicadores de qualidade do leite e procedimentos operacionais padrão de ordenha. Explique por que uma baixa CCS é importante e elogie o bom controle da mastite. Um quadro simples com dados básicos de mastite pode ser uma ferramenta inestimável.

3. Saiba o que você está enfrentando

Para obter um nível de CCS mais baixo, é importante saber o que você está enfrentando. Certos tipos de bactérias são responsáveis pela mastite subclínica e é necessário saber para qual microrganismo você deve tratar.

“Os testes bacteriológicos são essenciais para a tomada de decisão sobre vacas problemáticas”, diz Edmondson. Ele recomenda coletar amostras de leite de vacas com CCS alta que representam diferentes idades, juntamente com infecções por mastite crônica versus infecções recentes.

4. Desenvolva um roteiro

Depois de determinar o tipo de bactéria para a qual você precisa tratar, é hora de começar a tomar decisões.

Edmondson observa que é importante focar nas vacas que contribuem com a maior porcentagem de células somáticas no tanque de expansão. Para determinar quais são esses animais, considere seu histórico individual de CCS, idade, resposta à terapia anterior de vacas secas, histórico de mastite clínica, produção de leite, estado de fertilidade, problemas de locomoção ou claudicação, juntamente com a saúde geral do animal. A partir daí, você pode decidir se deseja tratar, secar ou descartar.

“O descarte é caro e irreversível; é importante tomar as decisões certas”, diz Edmondson. “Discuta as opções com o seu veterinário para ver se o tratamento durante a lactação é apropriado.”

5. Monitore o progresso

Ter uma baixa contagem de células somáticas nunca acontece por acidente. É o resultado de firme intenção, esforço sincero, direção inteligente e execução habilidosa. Para obter um escore mais baixo, é fundamental saber sua média atual de CCS para acompanhar seu progresso.

De acordo com Edmondson, leva cerca de um ano para que os produtores comecem a notar uma redução significativa de CCS no rebanho. Portanto, é necessário ter metas mensuráveis para que você possa acompanhar seu progresso e se manter motivado. Avaliar o progresso ajuda você a manter o foco e sentir a emoção de estar mais perto de atingir seu objetivo de menor CCS.

 

Escrito por: Taylor Leach

Traduzido e adaptado por: Equipe Canal do Leite

Fonte: Dairy Herd

Disponível em: https://www.dairyherd.com/article/5-steps-reduce-somatic-cell-counts

  • HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

  • Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

  • A importância do uso da “Ração Total Misturada” (TMR)

    João Ricardo Alves Pereira

    Zootecnista, Doutor em Nutrição Animal e Pastagens

    A importância do uso da “Ração Total Misturada” (TMR)

Proluv
Top