EUA: 3 tendências que podem mudar a indústria americana de laticínios

EUA: 3 tendências que podem mudar a indústria americana de laticínios

04 de outubro, 2022

Depois de uma década difícil para os setor de lácteos nos Estados Unidos – e um ano de pandemia com leite sendo jogado fora, seguido de vendas atingindo seu ponto mais alto em anos – as perspectivas estão melhorando. No entanto, quando se trata de laticínios, o que está na geladeira do consumidor está mudando.

Três tendências estão moldando o futuro do setor: uma mudança no mix de produtos; o surgimento de produtos alternativos à base de plantas; e os desafios da sustentabilidade na produção.

Mudança no mix de produtos

Na última década, a demanda per capita por todos os produtos lácteos combinados aumentou cerca de 8% nos Estados Unidos. Dentro dessa tendência positiva, no entanto, o gosto do consumidor americano por leite fluido – a pedra angular da indústria naquele país – caiu.

O consumo de leite fluido nos EUA – desde o integral até o desnatado – caiu 20% na década que terminou em 2019. A queda no consumo de leite, juntamente com preços agressivos no varejo por novos produtores de marca própria, como Walmart e Kroger, levaram o maior produtor de leite da América (Dean Foods) à falência. Outros seguiram o mesmo caminho.

No entanto, à medida que esses eventos relacionados ao leite fluido se desenrolavam, o consumo de laticínios per capita nos EUA atingiu um recorde histórico em 2019. Não é que os americanos não queiram laticínios. Eles só querem isso em diferentes formas.

Os números do USDA até 2019 refletem essa mudança no mix de produtos. Desde 2010, o consumo de manteiga per capita aumentou quase 27%, para o maior desde 1975. O consumo per capita de queijo natural (olá, mussarela!) também aumentou 17% cento e o iogurte vem se mantendo estável. O queijo foi, ainda, a estrela das exportações americanas na primavera de 2021, com um crescimento de 51% na comparação anual. Espera-se que essa força se mantenha.

A ascensão de produtos à base de plantas

À medida que as preferências de consumo mudam, mudanças externas ao setor exercem pressão adicional sobre os laticínios. A mais notável é a crescente popularidade de produtos vegetais, de bebidas a manteigas e sorvetes. O setor de proteína animal também viu as alternativas à base de plantas influenciarem sua demanda. Até mesmo alguns produtores de laticínios estão oferecendo opções não lácteas à medida que a concorrência no varejo esquenta.

A apreciação do consumidor por produtos à base de plantas não é nova. As vendas de “leite” alternativo aumentaram 36% em volume nos cinco anos encerrados em 2017. Atualmente, o “leite” à base de plantas representa 15% de todas as vendas de leite (em dólares) no varejo dos EUA. Quase 40% dos lares norte-americanos têm regularmente leite à base de plantas em sua lista de compras. As vendas (em dólares) de “leite” vegetal cresceram 20% apenas em 2020.

Mas, o foco nas bebidas ignora grande parte do desafio ao domínio dos laticínios. Tal como acontece com os lácteos convencionais, alguns dos maiores crescimentos em alternativas vegetais vêm de outros produtos. Em 2020, nos EUA, os "queijos" à base de plantas tiveram um aumento de 42% nas vendas em dólares. A manteiga à base de plantas aumentou 36% no ano. Além dissto, sorvetes à base de plantas e novidades congeladas – a maior categoria em vendas em dólares no varejo americano – também cresceram significativamente.

Além disso, inovações recentes visam replicar e substituir o leite de vaca para os amantes do leite, assim como alguns produtores de carne à base de plantas têm como objetivo satisfazer carnívoros dedicados. O produto NotMilk, da startup chilena NotCo´s, promete provar, cozinhar e misturar como a coisa real. Uma lista de ingredientes não convencionais que inclui sucos de abacaxi e repolho, junto com proteína de ervilha, pode ajudá-los a atingir esse objetivo.

Mas, mesmo com o surgimento de alternativas “atraentes”, cerca de 90% de todos os consumidores de produtos à base de plantas ainda compram laticínios convencionais – e isso não deve mudar.

Desafio da sustentabilidade produtiva

À medida que cresce a demanda por alimentos à base de plantas, as preferências por dietas veganas e a preocupação com saúde e bem-estar animal mantêm sua importância. Mas, os consumidores informados estão se concentrando na sustentabilidade. E os laticínios convencionais são um alvo fácil no que diz respeito às emissões de gases de efeito estufa.

Muitas pessoas alegam uma ligação entre vacas e mudanças climáticas, principalmente no que tange as emissões de gases de efeito estufa. Além dissto, o gerenciamento de dejetos dos animais é uma questão complicada em regiões com grandes laticínios comerciais. Mas, os consumidores estão descobrindo que as práticas de produção de muitas produtos à base de plantas têm impactos ambientais significativos, incluindo o uso extensivo de água e pesticidas. ,

Consumidores preocupados com a saúde também estão analisando os rótulos nutricionais das “alternativas lácteas” à base de plantas e descobrindo números surpreendentes, especialmente no que diz respeito a proteínas, açúcar e cálcio. Por outro lado, inovações sustentáveis ​​estão acontecendo no setor de lácteos, fornecendo um vislumbre do futuro sustentável dos laticínios. 

Com o COVID-19 ainda sendo um fator na demanda e oferta de laticínios, pode demorar um pouco até que o impacto duradouro dessas tendências seja claro. Para a maioria dos consumidores, produtos lácteos vs. vegetais não é um jogo de tudo ou nada. Com o consumo em alta em ambos os segmentos e as exportações em ascensão, o futuro dos laticínios ainda parece brilhante.

 

Fonte: Means and Matters

  • Etapas de higienização por sistema Clean in Place (CIP) e latão ao pé

    Gabriel Augusto Marques Rossi

    Médico Veterinário - Professor Dr. Unesp/Jaboticabal

    Etapas de higienização por sistema Clean in Place (CIP) e latão ao pé

  • EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

  • Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

Proluv
Top