Na Capital Nacional do Leite

Na Capital Nacional do Leite

29 de dezembro, 2021

Escrito por Paulo do Carmo Martins


Em 1998, conheci o município de Castro (PR). Estive lá para capacitar técnicos da cooperativa Castrolanda em conceitos e no uso de um software de custos de produção de leite da Embrapa, então recém criado. Quem abriu o curso foi o presidente da cooperativa, o então jovem Frans Borg. Além dos técnicos, vários produtores participaram da capacitação, para a minha surpresa. Naqueles tempos era raro o produtor dar atenção a cálculo de custos de produção. Outra surpresa foi saber que um técnico da Emater era lotado na cooperativa, para que fizesse atendimento aos cooperados. Naquele momento, a assistência técnica oficial estava em baixa no Brasil e a privada era inexpressiva.

Três anos depois eu retornei a Castro, para coletar dados de custos de produção diretamente nas fazendas, para minha tese de doutoramento. Antes de começar o levantamento, fui recebido pelo presidente da Castrolanda, Frans Borg. Ele quis conhecer detalhes do levantamento, o que é raro. Nas propriedades, me impressionou a clareza que os produtores tinham dos seus custos de produção.

Já com o doutoramento terminado, em 2003 propus à Castrolanda construirmos o primeiro software brasileiro de otimização na captação de leite. Inovação aberta antes do conceito existir. A proposta encantou o Bandeira, que a levou para aprovação do presidente Frans Borg. Bandeira era o visionário técnico da Emater, que suspendeu o seu contrato de trabalho para tornar realidade a ideia do Pool ABC, uma inusitada união operacional de três cooperativas de leite, sediadas em municípios próximos: Castro, Carambeí e Arapoti.

Por conta deste projeto logístico, tive a rara oportunidade de conhecer a Castrolanda por dentro e me aproximar de seus cooperados. Juntamente com os colegas da Embrapa, Alziro Carneiro e Takao Yamaguchi, parceiros dos episódios narrados, cada um de nós visitou cerca de cinquenta propriedades. Que aprendizado!

Já em 2007, voltei à Castrolanda, no seu tradicional evento Agroleite, a feira tecnológica e de negócios que nunca parou de crescer, desde que foi criada, e que hoje acontece no espaço Cidade do Leite! Naquele ano recebi das mãos do presidente Frans Borg o Troféu Agroleite – personalidade do ano. Entre as homenagens que recebi até hoje, esta tem lugar especial, por vir de uma cooperativa que tem na inovação, no empreendedorismo e no planejamento a base de sua trajetória, desde o seu nascedouro.

Nos últimos anos estive no Agroleite para falar a jovens produtores sobre o Ideas For Milk e para lançar o Anuário do Leite, desde sua primeira edição. Mas, neste ano de 2021, fui a Castro por outro nobre motivo, por conta da Caravana do Leite. Explicando, a Comissão da Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados – CAPADR, é presidida pela Dep. Fed. Aline Sleutjes (PR). Castro é a sua cidade natal. Dentre outras ações, a Deputada Aline instituiu a Caravana do Leite, formada por deputados, técnicos e lideranças, que vem percorrendo locais selecionados do Brasil. Já esteve em MG, RS, SP e no agreste RN. E esteve no PR, o que me revelou uma antiga novidade.

Somente agora conheci o Centro de Treinamento para Pecuaristas – CTP, instalado em Castro. Ali são treinados na prática, há meio século, os produtores e seus filhos. Criado para atender aos produtores que migraram da Holanda para o Paraná, hoje recebe produtores de todo o Brasil. O CTP, presidido pelo Frans Borg, pode ser facilmente copiado por qualquer região do Brasil.

O município de Castro é a Capital Nacional do Leite, por força da Lei Federal n.13584/17. Mas, já era a nossa Capital, antes desta lei. Quando os holandeses migraram para o Paraná, após a II Grande Guerra, eles trouxeram mais do que a genética do gado que, a partir de Castro foi se disseminando por todo o Brasil. Trouxeram uma filosofia de vida, reconhecendo que as ações fora da porteira são fundamentais para o sucesso do produtor. Sustentada pela ideia do cooperativismo, eles criaram uma admirável potência láctea.

Castro e Carambeí, que eram um só município até 1966, ocupam os dois primeiros lugares no podium municipal de produção de leite do Brasil, de acordo com o IBGE. Formada por propriedades majoritariamente pequenas em hectares, são recordistas em produção e produtividade nacionais. E em renda! Castro produz 1 milhão de litros/dia e Carambeí 620 mil/dia. Em 2020, o leite injetou mais de R$1 bilhão nas propriedades leiteiras destes dois municípios, sem considerar a venda de animais e outras receitas (como venda de silagem e resíduos, como fertirrigação). Também sediam a Unium, um dos três maiores laticínios em captação do Brasil.

Este 2021 é especial. Marca os 70 anos da chegada dos holandeses no Paraná. Marca, também, os 50 anos de capacitação ininterrupta que o CTP faz de produtores e filhos. Também, neste ano, a Cidade do Leite e o moinho construído na sede da Cooperativa completam 20 anos. 70 x 50 x 20! Na pessoa de Frans Borg, que durante 24 anos liderou tudo isso, o nosso reconhecimento público, embalado por profunda e eterna admiração.

Fonte: Linked in

Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/na-capital-nacional-do-leite-paulo-do-carmo-martins

  • Qual devo escolher: Transferidor ou Canalizada?

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Qual devo escolher: Transferidor ou Canalizada?

  • Por que o número de vacas Jersey vem aumentando na América do Norte?

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Por que o número de vacas Jersey vem aumentando na América do Norte?

  • Veronica continua mostrando porque é uma das maiores vacas Jersey de todos os tempos

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Veronica continua mostrando porque é uma das maiores vacas Jersey de todos os tempos

Proluv
Top