Cresce o consumo de lácteos no Brasil

Cresce o consumo de lácteos no Brasil

O leite é um dos produtos da agropecuária mais importantes da dieta humana. Está presente na alimentação de cerca de 80% da população, contribuindo com 5% da energia, 10% da proteína e 9% da gordura consumida no planeta. No Brasil, não é diferente. Dentre todos os itens da indústria de alimentos contabilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o valor de vendas da fabricação de laticínios perde apenas para carnes, açúcar, cerveja e refrigerante.

Portanto, o setor lácteo gera mais riqueza que milho, soja e café, commodities de grande relevância do agronegócio do país. Além disso, o leite é um dos 13 produtos que compõem a cesta básica brasileira, estando presente em 91,6% dos lares. Conforme recente pesquisa da Kantar, realizada para a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), outros derivados lácteos que também possuem elevados índices de consumo são: leite condensado (90,1%), creme de leite (89,7%) e requeijão (64,5%).

Desse trio, o requeijão foi o derivado que mais ganhou presença nos lares brasileiros. No ano passado, o produto aumentou mais de 20% no índice de penetração, tornando-se o tipo de queijo mais popular do país. Assim, como já ocorreu com o leite longa vida, os supermercados viram a multiplicação de marcas de requeijão nas prateleiras.

A citada pesquisa também mostrou que o principal foco dos consumidores na compra de derivados do leite é o abastecimento da despensa, o que sugere maior organização e planejamento por parte das famílias. Isso pode estar atrelado à redução do número de vezes em que as famílias vão ao supermercado. No que se refere aos dias de compras, dos quatro produtos analisados, há maior concentração aos sábados, que se mantém na liderança desde 2009, seguido pelas sextas-feiras.

Sobre o tamanho das famílias, desde 2009, nas quatro categorias de produtos, cerca de 50% das famílias são compostas por três ou quatro pessoas. Em seguida, as famílias que mais consomem são aquelas formadas por uma ou duas pessoas e depois as com mais de cinco pessoas. Em relação ao tíquete médio; ou seja, quanto cada consumidor gasta cada vez que vai ao supermercado para adquirir produtos lácteos, houve valorização de todos os derivados em termos reais.

Assim, o padrão médio por compra apontado pela pesquisa é de R$ 7,37 gastos com leite condensado; R$ 5,70 com creme de leite; R$ 6,61 com requeijão e R$ 14,09 com leite longa vida. Já, a freqüência de compras dos derivados do leite variou entre os diferentes produtos. A frequência de compra de leite condensado aumentou 10% entre 2008 e 2018, a de creme de leite aumentou 19% e a de requeijão 16%. As compras de leite UHT, por sua vez, tiveram a frequência reduzida em 14%, o que foi compensado pelo aumento do tíquete médio. Segundo dados da Abras, houve aumento de consumo de todos os derivados lácteos.

LEITE LONGA VIDA: CRESCIMENTO EXPRESSIVO NA ÚLTIMA DÉCADA

O leite UHT destaca-se com 135,6 litros por família, o que representa aumento de 21,39 litros desde 2008; ou média de 2,37 litros/ano/família, no período. Os aumentos de consumo dos demais produtos foram mais modestos: creme de leite, leite condensado e requeijão apresentaram elevações no consumo de 1,51 kg, 1,22 kg e 0,25 kg, respectivamente.

Diante disso, é possível perceber que os produtos lácteos de alto giro nos supermercados brasileiros têm ampliado sua participação no mercado de consumo, seja pelo aumento do número de lares compradores, pelo aumento do número de unidades compradas por vez ou pela freqüência com que são comprados.

É interessante também notar que o aumento do consumo se deu para quatro produtos analisados bem distintos: produto da cesta básica (leite UHT), produto com apelo de indulgência (leite condensado), ingrediente de receitas culinárias (creme de leite) e queijo (requeijão), o que demonstra a versatilidade do setor em atender diferentes demandas dos consumidores.

 

Adaptado do texto escrito por Kennya B. Siqueira e Breno C. F. Ramalho – pesquisadores da Embrapa Gado de Leite, de Juiz Fora-MG.

 

Fonte: Anuário Leite 2020 - Embrapa

  • HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

  • Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

  • A importância do uso da “Ração Total Misturada” (TMR)

    João Ricardo Alves Pereira

    Zootecnista, Doutor em Nutrição Animal e Pastagens

    A importância do uso da “Ração Total Misturada” (TMR)

Proluv
Top