Argentina: Ranking da indústria de laticínios

Argentina: Ranking da indústria de laticínios

02 de agosto, 2022

De acordo com uma pesquisa industrial de 2018, realizada pela Diretoria Nacional de Laticínios (DNL), das 670 indústrias pesquisadas, 47 indústrias processavam mais de 100.000 litros de leite por dia naquela época.

Devido ao sigilo estatístico, não é possível ter informações do DNL em relação aos litros recebidos por cada indústria. Por razões antitruste, também não é possível solicitar estas informações às respectivas câmaras de comércio. Assim, o Observatório da Cadeia Láctea Argentina (OCLA) solicitou diretamente o volume de leite recebido de 30 empresas. A este respeito, deve-se esclarecer que todos os rankings internacionais são feitos com base no leite recebido e/ou no faturamento (IFCN, Rabobank, IDF, etc.).

O leite recebido é o leite comprado de produtores, fazendas, cooperativas e o próprio leite que algumas indústrias possuem. É todo o leite utilizado para a produção de lácteos e sua comercialização, independentemente de onde for processado. Não inclui o leite comprado por uma indústria em nome de outra.

A seguir está o ranking das empresas que foram solicitadas informações e concordaram em fornecê-las. Além disso, foram acrescentadas empresas que faziam parte dos 20 primeiros, mas não forneciam informações. Nesses casos, o volume recebido foi estimado através de informantes qualificados.

Observações e informações adicionais

Na Argentina, no período analisado, o faturamento industrial médio foi de US$ 0,62/litro de leite, muito melhor do que no mesmo período do ano anterior, o que não é explicado por uma melhoria real, mas principalmente pela forte desvalorização da taxa de câmbio. Este valor, por exemplo, para o ranking dos 20 maiores produtores mundiais de leite, está próximo de US$ 1,00/litro de leite (IFCN). No Uruguai, em 2021/2022, o faturamento foi de US$ 0,61/litro, levando em conta que as exportações representam 71% do destino comercial de litros de leite processado (INALE), enquanto na Argentina representam 26%.

Para medir o nível de concentração industrial, é comum a utilização do Índice Cr4: quanto as 4 principais empresas recebem. O Cr4 atingiu 30,5% na Argentina, quando no mundo leiteiro as quatro maiores empresas processam entre 50 e 97% do total da produção.

A principal empresa na Argentina (Cr1) recebeu 11,9% do leite total, este valor nos principais países produtores de leite do mundo está na faixa de 25 a 90%. Em meados dos anos 90, a Cr1 era de 18% e a Cr4 50%.

O sistema cooperativo, em termos de recepção de leite, representa hoje menos de 5%; Mas, em 1994,  representava 35% do leite do país (quase 50% do leite nos principais países leiteiros do mundo é processador por cooperativas). Deve-se observar que, como setor de produção primária, as cooperativas na Argentina respondem por cerca de 25% da produção total de leite.

O índice Cr1 não sofreu alterações e o índice Cr4 diminuiu em relação aos três anos anteriores, em que o ranking foi compilado. Estes números mostram uma grande atomização no recebimento/processamento de leite na Argentina, que – longe de diminuir – está aumentando, como pode ser visto no gráfico a seguir.

Dentro dos 10 principais setores industriais, 36% da produção entrante está nas mãos de empresas multinacionais (com sede em outros países).

Variação no leite processado

O gráfico seguinte mostra a variação mínima, média e máxima das empresas no ranking em relação à variação total da produção do país estimada pela Direção Nacional de Laticínios, para o período 2021-2022 vs. 2020-2021 na média diária (não em uma fazenda leiteira constante).

A produção de leite das empresas consideradas na amostra do ranking caiu ligeiramente (sobre uma média ponderada de -0,4%), embora possa ser observada a grande dispersão nas variações anuais entre elas (de +17,2% a -15,7%).

A variação total do país estimada pelo DNL cresceu 2,6%, portanto pode ser que as empresas fora do ranking (38,5% do total) tenham crescido cerca de 7% no ano, o que implicaria uma forte transferência de leite das maiores empresas para o setor das PMEs e/ou que haja uma superestimação da produção fora do ranking (empresas que não informam a produção de acordo com a Resolução No. 229).

 

Fonte: Edairy News

  • Etapas de higienização por sistema Clean in Place (CIP) e latão ao pé

    Gabriel Augusto Marques Rossi

    Médico Veterinário - Professor Dr. Unesp/Jaboticabal

    Etapas de higienização por sistema Clean in Place (CIP) e latão ao pé

  • EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

  • Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

Proluv
Top