Câmara Setorial de cadeia produtiva de leite questiona exigências de INs 76 e 77

Câmara Setorial de cadeia produtiva de leite questiona exigências de INs 76 e 77

10 de maio, 2019

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou, na quinta-feira, 9, de reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados, do Ministério da Agricultura, para discutir as novas regras da qualidade do leite produzido no País, abrigadas nas Instruções Normativas (INs) 76 e 77.

Conforme a CNA, em nota, o encontro não foi conclusivo e, assim, o ministério definirá até o fim do mês se as INs, que passariam a valer a partir de 30 de maio, serão de fato implementadas.

Na reunião, especialistas criticaram aspectos das novas regras, algumas delas consideradas impraticáveis. O pesquisador Marcelo Bonnet, da Embrapa Clima Temperado, questionou a obrigação de manter o leite a uma temperatura constante de no máximo 4 graus Celsius. “Existem aspectos de qualidade do leite mais importantes e urgentes a serem enfrentados no País. De nada adiantaria refrigerar o leite obtido em más condições higiênico-sanitárias a 4 graus, sendo que leite obtido em boas condições poderia ser conservado adequadamente a uma temperatura limite de 7 graus”, declarou, segundo nota da CNA.

Já a professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mônica Maria Cerqueira, questionou a instrução de que o leite armazenado nos silos das indústrias apresente limite máximo para Contagem Padrão em Placas (CPP) de até 900 mil UFC/ml (unidades formadoras de colônia por mililitro) antes do processamento.

“A média geométrica dessa contagem do leite de 91% dos silos das indústrias analisadas (em pesquisa) é elevada e superior aos 900 mil UFC/ml exigidos pela nova normativa”, pontuou a docente, que ainda sugeriu um monitoramento completo nas indústrias do País, por um período de dois anos, para que se normatize um número padrão para a contagem.

O presidente da Câmara Setorial e da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA, Rodrigo Alvim, alertou sobre os desafios impostos. “Não é apenas regulamentando que se melhora a qualidade de leite no Brasil. O desafio é levar assistência técnica aos produtores. Assim, teremos avanços”, disse.

 

Fonte: Istoé

Disponvel em: https://istoe.com.br/camara-setorial-de-cadeia-produtiva-de-leite-questiona-exigencias-de-ins-76-e-77/#.XNXpEFu5_Kc.whatsapp

  • Consequências econômicas do uso da IATF em fazendas leiteiras - Entrevista com o Dr. Oscar Alejandro Ojeda-Rojas

    Roney Ramos

    Médico Veterinário, Doutor em Reprodução Animal pela USP

    Consequências econômicas do uso da IATF em fazendas leiteiras - Entrevista com o Dr. Oscar Alejandro Ojeda-Rojas

  • O grande potencial do gado Jersey mocho

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    O grande potencial do gado Jersey mocho

  • Quem contribui mais para o avanço genético dos rebanhos leiteiros, o touro ou a vaca?

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    Quem contribui mais para o avanço genético dos rebanhos leiteiros, o touro ou a vaca?

Proluv
Top