Descobrindo o setor de laticínios da China

Descobrindo o setor de laticínios da China

19 de janeiro, 2021

A China é um grande produtor global de leite, com 31 milhões de toneladas produzidas em 2019. De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), a produção de leite da China deve aumentar 4,5% em 2021, atingindo  34,5 milhões de toneladas.

Além disso, as importações de produtos lácteos e ingredientes lácteos também devem aumentarimpulsionadas pela demanda dos consumidores e pela indústria de processamento de alimentos. Conforme o relatório China Agriculture Outlook Report (2020-2029), do USDA, a produtividade leiteira na China continuará melhorando, por causa das fazendas de grande escala (mais de 100 cabeças de gado de leite).

Fazendas leiteiras de grande escala investiram em instalações de última geração e implementaram técnicas de manejo alimentar que aumentaram a sua produtividade. Foi relatado que estas propriedades representavam quase 70% do total das fazendas leiteiras em 2020.

Em agosto de 2020, o governo da província de Henan anunciou que fará provisões para um subsídio de RMB 5.000 (US$ 735) por animal, para produtores que construíram ou expandiram suas fazendas leiteiras para mais de 100 animais. Além disto, o governo de Henan anunciou subsídios para os produtores que importarem vacas leiteiras (RMB 1.000 ou US$ 147 por cabeça) e embriões (RMB 5.000 ou US$ 735 cada).

O relatório de dados do setor leiteiro da China de 2020 mostra que a província de Henan é o sexto maior produtor de leite no país, atrás de: Inner Mongolia, Heilongjiang, Hebei, Shandong e Xinjiang. Estas 6 províncias, no norte da China, produzem quase 66% do total de leite fresco no país.

Comércio e consumo

A China é o maior importador mundial de produtos lácteos e – embora sua produção de lácteos esteja estagnada desde 2008 – o crescimento do consumo é nítido e a lacuna entre oferta e demanda vem sendo suprida pelo aumento das importações.

As importações chinesas de leite fluido, principalmente leite UHT pré-embalado, estão previstas para 980.000 toneladas em 2021 (aumento de 5% em relação a 2020), impulsionadas pela demanda dos consumidores e pelo setor de processamento de alimentos. De acordo com um relatório da PWC, “o leite UHT foi o primeiro produto lácteo a atingir consumo generalizado, mas o leite fresco está se tornando popular à medida que a capacidade de distribuição da cadeia aumenta e os consumidores procuram produtos considerados mais nutritivos”.

ingestão diária de produtos lácteos pelos chineses foi relatada em 97 gramas (leite fluido) em 2019 – o número mostra uma grande diferença em comparação com a média global de 303 gramas. Segundo o USDA, a União Europeia continua sendo o maior fornecedor de leite fluido para a China, seguida pela Nova Zelândia.

importação de queijo da China deve crescer 17%, atingindo 155.000 em 2021, devido à forte demanda. Os principais fornecedores de queijo são a Nova Zelândia e a Austrália. As 2 principais empresas de laticínios estabelecidas na China são Yili e Mengniu.

Foco na sustentabilidade

O país tem a maior população do mundo e, com isto, vêm as crescentes preocupações ambientais – não há dúvida de que a China precisa urgentemente desenvolver maneiras eficazes de motivar o consumo e a produção sustentáveis de alimentos.

A gigante de alimentos Nestlé anunciou, no final de 2020, que está investindo mais de RMB 400 milhões (53 milhões de francos suiços) no país, dizendo que concluirá uma expansão e uma atualização do seu Instituto do Leite (Dairy Farming Institute – DFI). O DFI também terá um papel crescente no esforço da empresa para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) na sua cadeia de suprimentos.

Uma série de projetos de redução de emissões na própria fazenda de leite do DFI irá desenvolver e mostrar as melhores práticas, com o objetivo de explorar oportunidades para leite fresco "neutro em carbono".

Um artigo de Jialing Yu e Jian Wu, associado à Universidade Renmin da China, fala sobre as emissões de gases de efeito estufa na China. Ele afirma que estas emissões são responsáveis por 17% do total das emissões no mundo. Como maior produtor e consumidor mundial de Nitrogênio fertilizante (N), o esforço da China é essencial para reduzir os gases de efeito estufa relacionados ao N.

Além disso, acrescentou: “A inovação tecnológica ainda continua sendo o principal motor do crescimento da agricultura. Em março de 2018, a China também empreendeu uma reforma institucional substancial na estrutura do governo central, estabelecendo o novo Ministério de Recursos Naturais, para acabar com a fragmentação burocrática do planejamento fundiário e integrando responsabilidades regulatórias de controle de poluição  no novo Ministério de Meio Ambiente Ecológico, que deve facilitar o estabelecimento de um sistema de política coerente que atinja os objetivos agrícolas-ambientais".

Futuro da pecuária de leite

Na China, a maioria das fazendas de grande escala utiliza tecnologia de produção moderna e técnicas de gerenciamento da alimentação para melhorar a eficiência da produção e a qualidade do produto. De acordo com um plano de ação divulgado pelo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, em janeiro deste ano, o governo continuará apoiando os produtores e as cooperativas agrícolas. O plano visa continuar construindo ou modernizando 1.500 fazendas de leite e 100 instalações de processamento de laticínios a cada ano até 2022.

Um relatório da PWC afirma que a modernização da pecuária leiteira na China está atualmente enfatizando padronização, mecanização, melhoramento genético e escala das fazendas. Ele acrescentou, “a próxima onda será a mudança para ordenha e alimentação automatizadas, bem como agricultura de precisão. Estas tecnologias irão melhorar ainda mais a eficiência, produtividade e saúde animal. Os sistemas automatizados de ordenha são usados apenas em cerca de 1-2% das vacas na China.”

 

Fonte: Dairy Global

Tradução: Equipe Canal do Leite

Foto: Shutterstock

Disponível em: https://www.dairyglobal.net/Market-trends/Articles/2021/1/Country-report-Uncovering-Chinas-dairy-sector-696381E/

  • Os avanços genéticos em rebanhos leiteiros provenientes da inseminação artificial

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    Os avanços genéticos em rebanhos leiteiros provenientes da inseminação artificial

  • HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

  • Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

Proluv
Top