Embrapa: Forte elevação nos custos de produção de leite em maio

Embrapa: Forte elevação nos custos de produção de leite em maio

10 de junho, 2024

Após três meses seguidos de queda, no mês de maio, o custo de produção de leite – medido pelo ICPLeite/Embrapa – registrou uma elevação de 1,7%%. No acumulado dos primeiro cinco meses do ano, contudo, ainda há deflação de custos (-3,2%). Nos últimos doze meses, o custo de produção de leite caiu -3,5%.

Elevação de custos foi generalizada

Além da forte elevação de custos, com a interrupção da tendência baixista, o mês de maio não registrou nenhuma queda de custos entre os sete grupos que compõem o ICPLeite. Dois grupos se mantiveram com custos inalterados (“Mão de obra” e “Minerais”). Este é um fenômeno muito raro, indicando que não houve um centro de inflação, com elevações específicas de preços, mas uma recomposição generalizada, podendo indicar que o período de deflação de custos tenha chegado ao fim.

O custo do grupo “Energia e combustível” se elevou em 5,7%, seguido de “Qualidade do leite” (2,8%). Mas, a elevação nos grupos “Volumosos” (2,3%) e “Concentrado” (1,8%) foi a principal responsável pelo resultado final, em função dos pesos relativos que representam. O grupo “Sanidade e reprodução” teve variação positiva, mas inferior à inflação de custos do mês. Os dados constam do Gráfico 1.

Os primeiros cinco meses do ano ainda acumulam expressiva deflação de custos de produção de leite, de -3,2%. O principal motivo são os grupos que compõem a alimentação do rebanho, pelo peso relativo no cálculo. O grupo “Concentrado” registrou a expressiva queda de -11,6%, já os grupos “Volumosos” e “Minerais” tiveram redução de -0,8%. “Qualidade do leite” registrou queda de -2,4%.

Em sentido contrário, foram registrados acréscimos em três grupos que compõem o ICPLeite/Embrapa. O grupo “Energia e combustível” teve preços majorados em 7,0%, “Mão de obra” exibiu elevação de 5,7% e “Sanidade e reprodução” teve alta de 3,8%. Os dados constam do Gráfico 2.

No acumulado em doze meses, a variação dos custos de produção foi de -3,5%, com os três grupos de alimentação registrando expressivas variações negativas. O grupo “Minerais” registrou queda acentuada de -11,9%, seguido por “Concentrado” (-9,1%) e “Volumosos” (-6,9%). O grupo “Qualidade do leite” registro variação negativa de -3,5%.

Por outro lado, três grupos apresentaram crescimento significativo de custos. O de maior intensidade foi o de “Energia e combustível” (8,2%), enquanto que o de maior impacto – pelo seu peso relativo – foi o de “Mão de obra”  (5,7%). O grupo “Sanidade e reprodução” acumulou aumento de 5,8% no período de doze meses, conforme Gráfico 3.

O Gráfico 4 mostra a variação mensal do ICPLeite/Embrapa. Ao longo de 2023 ocorreram dois períodos distintos de variação de custos. Entre junho/2023 e janeiro/2024 foram registradas elevações contínuas de custos. A partir daí, os custos tiveram três meses de quedas seguidas, atingindo em abril/2024 o menor patamar nos últimos doze meses.

 

Fonte: Centro de Inteligência do Leite (CILeite/Embrapa)

  • Oportunidades para o gado Jersey no mercado de corte (beef-on-dairy)

    Marcelo de Paula Xavier

    Editor do Canal do Leite, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Oportunidades para o gado Jersey no mercado de corte (beef-on-dairy)

  • Como a vaca Jersey evoluiu para se tornar um fenômeno global

    Marcelo de Paula Xavier

    Editor do Canal do Leite, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Como a vaca Jersey evoluiu para se tornar um fenômeno global

  • Últimas vacas Jersey classificadas EX-96 e EX-97 nos Estados Unidos

    Marcelo de Paula Xavier

    Editor do Canal do Leite, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Últimas vacas Jersey classificadas EX-96 e EX-97 nos Estados Unidos

COMPARTILHAR

CONTEÚDOS ESPECIAIS

Proluv
Top