Mercado global de queijos bate recorde em 2019

Mercado global de queijos bate recorde em 2019

17 de setembro, 2020

Em 2019, o mercado global de queijos aumentou 2,3% para US$ 114,1 bilhões, subindo pelo terceiro ano consecutivo após dois anos de declínio. O valor de mercado aumentou a uma taxa média anual de + 1,1% no período de 2013 a 2019; a tendência permaneceu consistente, com apenas pequenas flutuações em certos anos. O ritmo de crescimento foi mais acentuado em 2017, quando o valor de mercado aumentou 7,1%. No período em análise, o mercado global atingiu seu nível máximo em 2019.

Levando em consideração o fechamento do setor HoReCa1 em todo o mundo devido à pandemia, uma diminuição na renda dos consumidores e possíveis interrupções no trabalho das cadeias de abastecimento internacionais, o consumo global de queijo deverá estagnar em 2020. Posteriormente, um início gradual de crescimento do mercado é esperado à medida que a economia global se recupera dos efeitos da pandemia. O mercado está previsto para expandir a uma Taxa de Crescimento Anual Composta (CAGR2) de + 0,6% no período de 2019 a 2030, projetando um volume global de 27 milhões de toneladas até o final de 2030.

Consumo por país

Os Estados Unidos (com 6,1 milhões de toneladas) continuam sendo o maior país consumidor de queijo no mundo, respondendo por 24% do volume total. Aliás, o consumo de queijo nos EUA foi mais que o dobro do registrado pelo segundo maior consumidor, a Alemanha (com 3 milhões de toneladas). A terceira posição neste ranking foi ocupada pela França (com 1,6 milhões de toneladas), que tem 6,4% de participação.

De 2013 a 2019, a taxa média anual de crescimento em volume nos EUA foi de + 2,5%. Nos demais países, as taxas médias anuais foram as seguintes: Alemanha (+ 4,4% ao ano) e França (+ 1,3% ao ano).

Em valor, os EUA (US$ 25,9 bilhões) lideraram o mercado, sozinhos. A segunda posição no ranking foi ocupada pela Alemanha (US$ 11,2 bilhões), com a Itália vindo em seguida

Os países com os maiores níveis de consumo de queijo per capita em 2019 foram: República Tcheca (64 kg por pessoa), Alemanha (37 kg por pessoa) e França (25 kg por pessoa).

De 2013 a 2019, a taxa de crescimento mais notável em termos de consumo de queijo per capita – entre os principais países consumidores – foi atingida pela República Tcheca, enquanto o consumo de queijo per capita dos demais líderes globais teve ritmos de crescimento mais modestos.

Previsão de mercado 2019-2025

Impulsionado pelo aumento da demanda por queijos em todo o mundo, espera-se que o mercado continue seu padrão de aumento de consumo na próxima década. O desempenho do mercado deve manter sua tendência atual, expandindo a uma CAGR de + 1,8% para o período de 2019 a 2030, o que elevaria o volume global para 31 milhões de toneladas até o final de 2030.

Produção

Em 2019, a quantidade de queijos produzidos em todo o mundo aumentou ligeiramente para 26 milhões de toneladas; 2,6% superior ao ano anterior. O volume total de produção aumentou a uma taxa média anual de + 2,6% de 2013 a 2019; a tendência permaneceu consistente, com alguma flutuação em certos anos.

Produção por país

Os países com os maiores volumes de produção de queijo em 2019 foram os EUA (6,3 milhões de toneladas), Alemanha (3,5 milhões de toneladas) e França (1,9 milhões de toneladas), com uma fatia combinada de 46% da produção global. Esses países foram seguidos por Itália, Polônia, Holanda, Argentina, Rússia, República Tcheca, Egito, Reino Unido e Canadá, que juntos responderam por mais 26%.

De 2013 a 2019, a taxa de crescimento mais notável em termos de produção de queijo – entre os principais países produtores – foi atingida pela República Tcheca, enquanto a produção de queijo para os outros líderes globais experimentou ritmos de crescimento mais modestos.

Importações

Em 2019, aproximadamente 7,1 milhões de toneladas de queijo foram importadas em todo o mundo; um aumento de 3,5% em relação a 2018. O volume total das importações aumentou a uma taxa média anual de + 2,7% no período de 2013 a 2019; a tendência se manteve consistente, com alguma flutuação ao longo do período analisado. O ritmo de crescimento foi mais acelerado em 2018, com aumento de 4,2% em relação ao ano anterior. Durante o período em análise, as importações globais atingiram o valor máximo em 2019 e espera-se que mantenham o crescimento no futuro próximo. Em termos de valor, as importações de queijo aumentaram para US$ 32,3 bilhões em 2019 (estimativas da IndexBox).

Importações por país

Em 2019, Alemanha (778 mil toneladas), Itália (536 mil toneladas), Reino Unido (495 mil toneladas), Holanda (390 mil toneladas), França (377 mil toneladas), Bélgica (341 mil toneladas), Espanha (310 mil toneladas), Japão (303 mil toneladas) e Rússia (284 mil toneladas) foram os maiores importadores mundiais de queijo, somando 54% da importação global. Já, EUA (180 mil toneladas), Arábia Saudita (148 mil toneladas) e Grécia (135 mil toneladas) tiveram uma participação relativamente pequena nas importações totais.

De 2013 a 2019, a taxa de crescimento mais notável em termos de compras – entre os principais países importadores – foi atingida pela Holanda, enquanto as importações para os demais líderes globais tiveram ritmos de crescimento mais modestos.

Em termos de valor, a Alemanha (US$ 4,2 bilhões) constitui o maior mercado mundial de queijos importados, compreendendo 13% das importações globais. A segunda posição no ranking foi ocupada pelo Reino Unido (US$ 2,1 bilhões), com uma participação de 6,5%. Em seguida vem a Itália, com 6,3% de participação.

Preços de importação por país

O preço médio de importação do queijo foi de US$ 4.532 por tonelada em 2019, queda de -1,6% em relação ao ano anterior. Durante o período em análise, o preço de importação apresentou uma queda notável. A taxa de crescimento mais proeminente foi registrada em 2017, quando o preço médio de importação aumentou 11% (ano a ano). No período, os preços médios de importação atingiram o valor máximo de US$ 5.303 por tonelada em 2014; no entanto, de 2015 a 2019, os preços de importação não recuperaram o ímpeto.

Os preços variaram sensivelmente dependendo do país de destino; o país com o preço mais alto foi os EUA (US$ 7.560 por tonelada), enquanto na Arábia Saudita (US$ 3.362 por tonelada) esteve entre os mais baixos.

De 2013 a 2019, a taxa de crescimento mais notável em termos de preços foi atingida pelo Japão, enquanto os demais líderes globais tiveram queda nos preços de importação.

 

Notas:

1 – HoReCa é o setor da indústria de food service que consiste em estabelecimentos que preparam e servem alimentos e bebidas. O termo é uma abreviatura silábica das palavras Hotel / Restaurante / Catering.

2 – CAGR é a sigla para Compound Annual Growth Rate. Em português, podemos traduzir o temo para Taxa de Crescimento Anual Composta. Essa taxa é responsável pelo cálculo do retorno necessário para um investimento sair de um saldo inicial para um determinado saldo final. Para isso, a premissa básica é considerar que os lucros de um período foram constantes e reaplicados em cada período para entender o crescimento do capital aplicado.

 

Fonte: Portal Global Trade

Tradução: Equipe Canal do Leite

Disponível em: https://www.globaltrademag.com/global-cheese-market-hit-record-highs-but-is-to-lose-momentum-against-the-pandemic/

  • HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    HIBRITE: a vaca Jersey que mais produziu leite no mundo

  • Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    Os cuidados com a anotação de dados e os impactos na avaliação genética

  • A importância do uso da “Ração Total Misturada” (TMR)

    João Ricardo Alves Pereira

    Zootecnista, Doutor em Nutrição Animal e Pastagens

    A importância do uso da “Ração Total Misturada” (TMR)

Proluv
Top