Novas regras para a produção de leite no Brasil

Novas regras para a produção de leite no Brasil

12 de junho, 2019

As novas regras para a qualidade do leite produzido no Brasil, determinadas pelas Instruções Normativas 76 e 77, finalmente entraram em vigor no final de junho. A IN 76 trata das características e da qualidade do produto na indústria. Já, a IN 77 estabelece critérios para produção de leite seguro ao consumidor. As regras abrangem vários aspectos das propriedades rurais, tais como: instalações, equipamentos, capacitação dos responsáveis pelas tarefas, controle de mastites, brucelose e tuberculose.

As normas mantêm o padrão de CBT (contagem bacteriana) para o leite cru, refrigerado na propriedade rural, de 300 mil unidades por ml, vigente desde julho de 2014. Segundo Ana Lúcia Viana, diretora de Inspeção de Produtos de Origem Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, “diante dos dados de qualidade obtidos pela Rede Brasileira de Laboratórios de Controle de Qualidade de Leite (RBQL), a situação atual ainda não permite uma redução de padrão, sendo necessária a adoção de outras ações para avançar nos índices de qualidade”.

Para as indústrias, o padrão de contagem bacteriana foi estabelecido em 900 mil unidades por ml, para que o leite mantenha a qualidade obtida na origem. “Para atender este padrão, é necessário que os estabelecimentos revisem a sua logística de coleta, as condições dos tanques dos caminhões transportadores e os procedimentos de higiene deles. São procedimentos que visam amenizar a multiplicação bacteriana e fornecer produtos de maior qualidade ao consumidor”, disse Ana Lúcia.

Com relação à temperatura de refrigeração, o Decreto 30.691/1952 estabelecia o limite de 5ºC para conservação do leite, mas este foi alterado para 4ºC no Decreto 9.013, publicado em março de 2017. É possível que haja variação na temperatura de estocagem de leite, desde que sejam alcançados bons índices de qualidade bacteriana na origem e no transporte. 

Uma novidade da IN 77 é a obrigatoriedade do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL). A ferramenta funcionará como controle e definide a política dos laticínios em relação aos seus produtores. O objetivo principal é aproximar produtores e indústria, visando maior segurança para o consumidor e desenvolvimento para o setor produtivo.

“A obrigatoriedade de possuir um plano de qualificação ampliará a assistência técnica aos produtores rurais, por parte dos laticínios, o que resultará em melhoria da produtividade, qualidade e consequentemente da competitividade na cadeia leiteira nacional”, ressaltou o coordenador de Boas Práticas e Bem-Estar Animal da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, Rodrigo Dantas.

Para acompanhar a evolução da aplicação das novas normas, a ministra Tereza Cristina (MAPA) decidiu criar a Comissão Técnica Consultiva do Leite (CTC/Leite), que terá a participação dos integrantes da Câmara Setorial do Leite e Derivados e das secretarias do ministério. Esta comissão vai fazer análises e propor medidas para a melhoria gradual da qualidade, aumentando o rendimento industrial e a tão sonhada competitividade. Assim, o objetivo do MAPA é promover a competitividade do setor lácteo brasileiro em comparação com os mercados internacionais, garantindo renda e sustentabilidade para o setor em todo o país.

“O Ministério da Agricultura preocupou-se em definir padrões que fossem possíveis de serem atendidos por todos os produtores e indústrias, independente do volume de produção ou do nível de tecnologia aplicados a campo”, esclareceu a diretora de Inspeção de Produtos de Origem Animal.

É importante ressaltar que o leite é o produto agropecuário produzido no maior número de municípios do país. A estimativa é que sejam mais de 1,2 milhão de produtores. Este cenário cria diferenças regionais que precisam ser observadas para a aplicação de uma política pública efetiva. A estratégia, já anunciada pela ministra Tereza Cristina, é perseguir os parâmetros de excelência e qualidade dos produtos em nível mundial, mas levando em conta as realidades regionais. É preciso sistematizar os dados de maneira estratégica, para promover as ações de fomento e fiscalização de maneira proporcional e gradual, prevendo atingir os objetivos a longo prazo.A ação efetiva de todos os elos da cadeia produtiva permitirá avanços na qualidade do leite no país e também na abertura de novos mercados internacionais.

Fonte: MAPA

  • Estudo comprava que quem gosta de queijo vive mais!

    Estudo comprava que quem gosta de queijo vive mais!

    O segredo para uma vida longa e feliz? Mais queijo! Sim, estamos falando do famoso queijo DOP e, de fato, de todos os outros produtos lácteos, especialmente os mais envelhecidos. Segundo uma pesquisa publicada pela revista Bature Medicine, esses derivados do processamente de leite seria, o verdadeiro elixir da longevidade. Boas notícias, portanto, para os amantes da boa comida, que agora têm mais um motivo para serem felizes.

  • LEITE/CEPEA: Preço ao produtor registra alta de 2 centavos em maio

    LEITE/CEPEA: Preço ao produtor registra alta de 2 centavos em maio

    Cepea, 29/05/2019 – O preço do leite ao produtor registrou a quinta alta consecutiva em maio, chegando a R$ 1,5175/litro na “Média Brasil” líquida, aumento de 2 centavos (ou de 1,7%) frente a abril, segundo levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. A média de maio foi 15,6% superior à do mesmo mês de 2018, em termos reais (os valores foram deflacionados pelo IPCA de abril/19). Desde o início do ano, os preços do leite ao produtor já subiram 20,4%.

  • A Jersey Brasil lança o 4º Circuito Nacional da Raça Jersey 2019

    A Jersey Brasil lança o 4º Circuito Nacional da Raça Jersey 2019

    O Circuito Nacional da Raça Jersey (CNRJ), evento tradicional mais aguardado da Raça no Brasil, terá em 2019 seis etapas (exposições), onde ao final serão eleitos os melhores animais Jersey do Brasil no dia 23 de novembro em solenidade especial na cidade de Curitiba / PR.

  • Desafios do produtor rural

    Maria Flavia Tavares

    Economista, Doutora em Agronegócios, Proprietária da MFT Consultoria

    Desafios do produtor rural

  • Ordenhadeira Canalizada Linha Baixa

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Ordenhadeira Canalizada Linha Baixa

  • Consequências econômicas do uso da IATF em fazendas leiteiras - Entrevista com o Dr. Oscar Alejandro Ojeda-Rojas

    Roney Ramos

    Médico Veterinário, Doutor em Reprodução Animal pela USP

    Consequências econômicas do uso da IATF em fazendas leiteiras - Entrevista com o Dr. Oscar Alejandro Ojeda-Rojas

Proluv
Top