A verdade sobre os agrotóxicos

A verdade sobre os agrotóxicos

23 de julho, 2019

Escrito por Xico Graziano, publicado em Poder 360, no dia 17/07/2019.

 

A geografia agrária da USP tenta assassinar a moderna agronomia no Brasil. Utiliza como arma o controvertido agrotóxico. Um “Atlas” comanda essa trágica operação.

Intitulado Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, a obra procura mostrar a maldade dos engenheiros agrônomos contra o povo. Mancomunados com os produtores rurais e articulados com as empresas multinacionais, resolveram envenenar o mundo.

Quem atesta é a profª Larissa Bombardi, autora do apavorante texto, divulgado dias atrás, com estardalhaço, no exterior. Implacável, ela dispara sua metralhadora contra o agronegócio, a produção de commodities, o etanol, o eucalipto, tudo. Contra o capitalismo agrário.

A geógrafa da USP imputa aos agrotóxicos a encarnação do mal sobre a Terra. Qual numa fábula, ela romanceia a tradicional produção camponesa, vista como a bem-aventurança no campo. Bucolismo puro.

Nota-se um desprezo pelo avanço científico. Pior. O Atlas promove uma falsificação da história. A professora Larissa deforma a realidade do agro, para assim endossar sua fantasia retrógrada.

O fulcro da história é a diferença entre os agrotóxicos utilizados na Europa e no Brasil. Segundo o Atlas, existem 150 princípios ativos que, banidos lá, aqui são utilizados à farta na produção agrícola. Seria triste, se não fosse falso.

Da famigerada lista, 40 produtos têm apenas sua monografia, ou seja, a descrição de suas características técnicas, publicada no Brasil, pela Anvisa. Quer dizer, é mentira dizer que estejam liberados para uso agrícola, pois eles nem têm registrono Brasil.

Outros 40 princípios ativos, constantes da lista macabra do Atlas, sequer são agrotóxicos. Representam produtos domissanitários (ácido bórico, por exemplo), fumigantes, ferormônios, agentes biológicos, óleos preservativos de madeira. Usos não-agrícolas.

Outras 9 substâncias químicas, utilizadas aqui no manejo fitossanitário, não poderiam estar “proibidas” na Europa, pois nunca foram lá submetidas ao registro. É o caso da sulfentrazona e do clorimuron.

Tais herbicidas, aplicados especialmente na citricultura e na cafeicultura, são necessários para controlar as ervas invasoras em condições tropicais, como no Brasil, mas dispensáveis nos países temperados da UE. Estes pouco produzem de laranja ou café.

Essa é a questão fundamental para a agronomia. Nada indica que agriculturas tão distintas, em termos ecológicos, tenham a mesma receita tecnológica no controle de pragas agrícolas. O Brasil pode, perfeitamente, utilizar agrotóxicos não recomendados na Europa. E vice-versa.

Inverta-se o raciocínio: em Portugal, existem 23 agrotóxicos registrados para a olivicultura. Já no Brasil, apenas 3 são permitidos no tratamento de pragas e doenças das oliveiras. As azeitonas europeias estariam, por isso, entupidas de venenos?

Não. Do ponto de vista toxicológico, ou ambiental, essa diferença não significa absolutamente nada. Os imensos olivais mediterrâneos exigem condições próprias de controle fitossanitário. Não se comparam com os pequenos pomares do Brasil.

A lista do Atlas traz, sim, alguns princípios ativos que foram proibidos na Europa, mantendo aqui seu registro. Falta dizer que não apenas o Brasil os utiliza, mas também a Austrália, os EUA, a Argentina, o Canadá, o Japão. Seriam esses países igualmente causadores da intoxicação mundial por agrotóxicos?

As normas europeias têm sido questionadas mundialmente. Os EUA, Brasil e outros 14 países solicitaram a abertura de um Painel de controvérsias na OMC visando exatamente a unificação da metodologia de análise e registro de agrotóxicos. A grande divergência está nos conceitos de “risco” ou de “perigo”.

Preferido nos órgãos de controle europeus, perigo é uma propriedade inerenteaos elementos químicos, e indica seu “potencial” tóxico. Já nos EUA e outros países, se adota o risco, medido em função da exposição de organismos vivos às substâncias perigosas.

Vale para agrotóxicos como para medicamentos. Certas moléculas podem ser perigosas, mas dependendo da exposição –e da dose– não causam riscos à saúde humana. Basta conferir no rótulo de uma garrafa de água mineral. Ele indica sulfatos e nitratos, mas em quantidades tão insignificantes que não causam riscos. Até ajudam na saúde.

Esse é o princípio essencial da experimentação científica que busca determinar a toxicidade de produtos agrotóxicos. Testes de laboratório são levados ao campo, determinando-se os limites aceitáveis, que obrigatoriamente compõem as monografias, e eventualmente, do registro público das substâncias.

Nada está andando para trás. Todos os países já baniram agrotóxicos que se mostraram problemáticos no uso agrícola. No Brasil, essa prática começou em 1975, quando se eliminaram os mercuriais; 10 anos depois foram proibidos o DDT e o BHC.

Na última década foram banidos no Brasil os seguintes princípios ativos: Endossulfam, Cihexatina, Tricloform, Monocrotofós, Pentaclorofenol, Lindano, Metamidofós, Parationa Metílica e Procloraz. Nada piorou na agenda da fitossanidade nacional.

Existem problemas, sempre os há. Nem sempre se verifica, lá na roça, o rigor profissional exigido na aplicação dos agrotóxicos. Daí sucedem intoxicações de trabalhadores rurais. Qual o tamanho do problema?

Na série histórica (1985/2016), foram notificados ao Sistema Nacional de Informações Toxico-farmacológicas (SINITOX), do Ministério da Saúde, cerca de 1.750.000 casos gerais de intoxicação. Desses, 29,1% foram causados por medicamentos, 22% por animais peçonhentos, 9,8% por produtos domissanitários e 6,1% por produtos fitossanitários (agrotóxicos).

Registraram-se no período 3.967 óbitos –média anual de 128– derivados por intoxicação de agrotóxicos. Suicídios foram responsáveis por 84,5% dessas mortes. Comumente, devido à ingestão de raticidas. Nas cidades.

Estes são os números. Frente aos mesmos, julgando-os modestos frente à sua tragédia fabricada, a professora Larissa preferiu aumentá-los em 50 vezes. Isso mesmo. Argumentando existir notória subnotificação, ela criou um multiplicador da realidade.

Resumo: agrotóxicos são perigosos quando mal utilizados. Usados conforme a prescrição agronômica, mostram-se seguros. Mas o conhecimento científico evolui. Um princípio ativo julgado bom no passado pode ser péssimo no presente. E novas descobertas revolucionam, para melhor, a tecnologia agrícola.

Os agricultores não utilizam agrotóxicos por maldade, mas sim por necessidade. Se pudessem, deixariam de compra-los, pois custam caro. Julgá-los fantoches das multinacionais significa considerá-los imbecis.

Não se mata a moderna agronomia com um fetiche!

  • A genética pode influenciar a produção do leite A2/A2?

    Victor Breno Pedrosa

    Zootecnista, Prof. Dr. de Melhoramento Animal e Estatística

    A genética pode influenciar a produção do leite A2/A2?

  • Medindo e evoluindo a vaca Jersey

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Medindo e evoluindo a vaca Jersey

  • Comercialização de silagem pré-secada em fardos

    João Ricardo Alves Pereira

    Zootecnista, Doutor em Nutrição Animal e Pastagens

    Comercialização de silagem pré-secada em fardos

Proluv
Top