Reflexões sobre o nível de consumo de leite dos brasileiros

Reflexões sobre o nível de consumo de leite dos brasileiros

15 de agosto, 2021

É comum se ouvir a afirmação de que o nível de consumo de leite e derivados do brasileiro é baixo ou que está aquém das recomendações de consumo. Mas, na verdade, não existe tal recomendação para o Brasil!

Na sua principal publicação sobre leite e derivados – o livro “Milk and dairy products in human nutrition”, de 2013 – a FAO (Food and Agriculture Organization) afirma que não é apropriado fornecer recomendações globais para alimentos individuais, exceto onde haja evidência científica suficiente para fazer tal recomendação (como é o caso das frutas e vegetais). Isto se dá porque, segundo a organização, os países diferem muito em termos de disponibilidade de alimentos, socioeconomia, hábitos alimentares e cultura. 

A referida publicação apresenta uma compilação de recomendações de consumo de leite e derivados para alguns países (Tabela 1). O Brasil não aparece na tabela, mas pode-se observar grandes diferenças nas recomendações de consumo nos diversos países elencados.

A Embrapa Gado de Leite estimou que o brasileiro consumiu o equivalente a 166 litros de leite no ano de 2018, o que corresponde – em média – a 455 ml/dia. Neste cálculo, todos os derivados lácteos consumidos foram “transformados em leite" para se chegar ao número final per capta.

No seu "Novo Guia Alimentar para a População Brasileira", lançado em 2014, o Ministério da Saúde não fornece recomendação de quantidades a serem consumidas de alimentos. A única recomendação apresentada é “Prefira sempre alimentos in natura ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados”.

Entre os alimentos in natura ou minimamente processados estão o leite pasteurizado, ultrapasteurizado ou em pó e iogurtes (sem adição de açúcar). Já, a manteiga é considerada preparação culinária. Os queijos, por sua vez, são considerados alimentos processados e os sorvetes, iogurtes e bebidas lácteas adoçados e aromatizados são tidos como alimentos ultraprocessados.

Portanto, não se pode afirmar que o brasileiro não atende às recomendações de consumo de leite, já que não existe tal recomendação para o país. Ademais, considerando que 1 xícara ou 1 porção de leite é equivalente a 200 ml, o nível de consumo de leite de um adulto brasileiro (455 ml/dia) está até superior ao de alguns países apresentados na tabela, como por exemplo África do Sul, Argentina e Austrália.

Se analisarmos apenas o consumo de leite fluido – considerando a soma de leite UHT e leite pasteurizado (sem incluir o leite em pó reconstituído) – a Pesquisa Industrial Anual (PIA) do IBGE mostra que o brasileiro consumiu 73 ml de leite fluido/dia em 2017. No mesmo ano, o USDA informou que os americanos consumiram 64 ml/dia. Portanto, os brasileiros têm nível de consumo de leite fluido equivalente ao dos americanos e a ideia de que o nosso nível de consumo é baixo está ultrapassada.

 

Fonte: Livro “Na Era do Consumidor - uma visão do mercado lácteo brasileiro” – Publicado pela Embrapa

Adaptado pela Equipe do Canal do Leite

  • Importância da manutenção preventiva em sistemas de ordenha

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Importância da manutenção preventiva em sistemas de ordenha

  • La Vaque dé Jèrri traduz o amor e o orgulho da Ilha pela raça Jersey

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    La Vaque dé Jèrri traduz o amor e o orgulho da Ilha pela raça Jersey

  • SHELLY: a primeira vaca Jersey a ultrapassar as 400 mil libras de leite

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    SHELLY: a primeira vaca Jersey a ultrapassar as 400 mil libras de leite

Proluv
Top