Demanda retraída por lácteos pressiona cotações no campo

Demanda retraída por lácteos pressiona cotações no campo

23 de fevereiro, 2021

Por Natália Grigol e Juliana Santos

O preço do leite captado em dezembro de 2020, e pago aos produtores em janeiro de 2021, registou queda de 4,3% na “Média Brasil” líquida, chegando a R$ 2,0344/litro. E pesquisas ainda em andamento do CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), apontam que a essa tendência de queda deve permanecer nos próximos meses. A expectativa é de que o leite captado em janeiro e pago ao produtor em fevereiro registre recuo médio de cerca de cinco centavos por litro.

A desvalorização do leite no campo se deve ao enfraquecimento da demanda por lácteos, dado o contexto de diminuição do poder de compra do brasileiro, do fim do auxílio emergencial para muitas famílias, do recente agravamento dos casos de covid-19 e da elevação do desemprego. Colaboradores consultados pelo CEPEA informaram que, diante da instabilidade do consumo, há um esforço das indústrias em ajustar a produção para manter os estoques controlados, de modo a evitar quedas mais bruscas de preços, tanto para os derivados quanto para o produtor.

No entanto, o nível de estoques vem crescendo e, desde dezembro de 2020, observa-se a intensificação da pressão exercida pelos canais de distribuição junto às indústrias para obter preços mais baixos nas negociações de derivados. Pesquisas do CEPEA, com apoio financeiro da OCB, mostram que - na média de janeiro - os preços do leite UHT e do queijo muçarela negociados no atacado do estado de São Paulo caíram 6,8% e 8,9%, respectivamente, enquanto os do leite em pó se mantiveram praticamente estáveis.

As negociações de leite spot em Minas Gerais também recuaram, 12,3% na média mensal de janeiro. A tendência de queda continuou em fevereiro para os derivados. No caso do spot, a média mensal recuou 0,7%. Esses resultados devem influenciar negativamente a precificação do leite captado em fevereiro e pago ao produtor em março.

Apesar de haver uma perspectiva de queda nos preços do leite no campo para fevereiro e março, espera-se que a média neste primeiro trimestre de 2021 ultrapasse a verificada no mesmo período de 2020 (quando a média foi de R$ 1,4655/litro, em termos reais – os valores foram deflacionados pelo IPCA de dezembro/20).

No entanto, é importante pontuar que preço não é sinônimo de rentabilidade. Mesmo que os valores do leite estejam em patamares considerados altos para o período do ano, a valorização considerável e contínua dos grãos (principais componentes dos custos de produção da pecuária leiteira) tem comprometido a margem do produtor e limitado o potencial de crescimento da atividade. Pesquisas do CEPEA mostram que o pecuarista precisou de, em média, 41,2 litros de leite para a aquisição de uma saca de 60 kg de milho, 16,3% a mais que em dezembro/20.

 

Fonte: CEPEA - Boletim do Leite - Fevereiro 2021 - Ano 27 - nº 308

  • Por que o número de vacas Jersey vem aumentando na América do Norte?

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Por que o número de vacas Jersey vem aumentando na América do Norte?

  • Veronica continua mostrando porque é uma das maiores vacas Jersey de todos os tempos

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Veronica continua mostrando porque é uma das maiores vacas Jersey de todos os tempos

  • Importância da manutenção preventiva em sistemas de ordenha

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Importância da manutenção preventiva em sistemas de ordenha

Proluv
Top